Interface gráfica do utilizador: o que é e como implementar

Interface gráfica do utilizador

Por décadas, as linguagens de programação eram conduzidas apenas por linhas de comando. Felizmente, hoje podemos contar com a interface gráfica do utilizador.

A interface gráfica foi responsável por revolucionar o modo como os humanos interagem com computadores.

Antes dela, apenas mover um arquivo de lugar exigia que o usuário digitasse o nome do comando, do arquivo específico e do local de destino.

Consequentemente, o acesso aos dispositivos digitais ficava restrito às pessoas com conhecimento prático em linguagem de programação.

Com o desenvolvimento da GUI, agora é possível contar com uma apresentação visual das informações processadas pelos computadores.

Quer saber mais sobre a interface gráfica do utilizador e como implementá-la nos seus projetos? Continue a leitura!

O que significa interface gráfica do utilizador?

Interface gráfica do utilizador, ou GUI (Graphical User Interface), é um modelo de interface que possibilita a interação com dispositivos digitais através de componentes gráficos.

Na prática, a GUI serve como uma fachada para as informações antes apresentadas apenas por linguagem de programação.

São criadas representações gráficas que oferecem ao usuário uma melhor visualização e manipulação de dados e programas.

Entre os principais exemplos de elementos de uma interface gráfica do usuário, estão: janelas, botões, ícones e links.

A tecnologia precursora das interfaces gráficas do utilizador foi idealizada por Douglas Engelbart.

Junto aos pesquisadores do Instituto de Pesquisa de Stanford, o engenheiro elétrico inventou um dos primeiros modelos de mouse da história.

Atualmente, quase todos os programas de computador possuem algum tipo de interface gráfica para facilitar a interação dos usuários.

Através delas, é possível interagir com ferramentas, modificar e mover arquivos e, principalmente, visualizar informações presentes na tela.

Quais os componentes de uma interface gráfica do usuário?

Como visto, a interface do usuário (UI) consiste no conjunto de controles e canais sensoriais utilizados para facilitar a comunicação de usuários com uma máquina.

No caso dos computadores pessoais, essa combinação de tecnologias e dispositivos é conhecida como WIMP, consistindo em:

  • Janelas;
  • Ícones;
  • Menus;
  • Ponteiros.

Através do sistema de janelas, torna-se possível visualizar informações, abrir arquivos e acessar páginas da web.

O usuário tem liberdade de executar diversas ações, como mover, redimensionar e dispor as janelas em fila, caso necessário.

Já os menus ficam responsáveis por compilar os diversos comandos disponíveis no dispositivo.

As listas de comandos são organizadas por texto, botões ou imagens para que o usuário interaja.

Também fazem parte do WIMP os componentes de navegação, como as caixas de pesquisa e controles deslizantes, e os componentes informativos, que mostram o status de uma tarefa.

Entre as representações gráficas informativas mais comuns estão as notificações, janelas pop-up e barras de progresso, como as de download.

Componentes da interface gráfica do usuário

Para que serve a interface gráfica do utilizador?

Juntos, os componentes de uma interface gráfica do utilizador servem para facilitar a navegação e interação com dispositivos digitais.

Através de representações visuais, o usuário pode executar tarefas, utilizar aplicativos e ativar ou desativar comandos, por exemplo.

Quanto mais intuitiva for a GUI, melhor para a experiência de uso de software.

Afinal de contas, ela é a primeira coisa que o usuário vê ao acessar um computador ou dispositivo.

Qual é a importância da interface gráfica do utilizador?

A interface gráfica do usuário funciona como uma “capa” que permite a utilização de computadores e máquinas digitais com mais facilidade.

Ao invés de comandos em linguagem de programação, o usuário usa apenas um conjunto de instruções de imagens e texto para manipular dispositivos.

Cada GUI pode ter componentes voltados para tipos diferentes de uso, seja ele doméstico ou industrial, por exemplo.

Em todos os casos, seus componentes ajudam a simplificar o funcionamento de dispositivos e os tornam mais acessíveis para quem não está familiarizado com a programação.

Para as empresas, o uso de interfaces gráficas possibilita uma navegação personalizada de aplicativos e sistemas.

É possível encontrar interfaces gráficas do utilizador integradas até mesmo nos setores médico, veterinário, agrícola e farmacêutico.

Tarefas como automação predial, registro de pacientes e controle de máquinas e equipamentos se tornam muito mais fáceis quando executadas por uma GUI.

Quais as vantagens de uma boa interface gráfica do utilizador?

Seja no ambiente doméstico ou profissional, a maior parte dos indivíduos lida diretamente com uma interface gráfica no cotidiano.

A partir do emprego de elementos visuais, as GUIs substituem as antigas interfaces de comando de linha e facilitam a interação com dispositivos.

Entre os principais benefícios de uma interface gráfica do utilizador na prática, podemos destacar:

Interação simultânea

Os sistemas de interface gráfica permitem que usuários mantenham diversos aplicativos abertos.

Em alguns casos, também é possível acessar apps ao mesmo tempo numa mesma tela, como nos smartphones e telas inteligentes.

O recurso é bastante vantajoso para quem deseja integrar gráficos ou tabelas em um display, por exemplo.

Vantagens de uma boa interface gráfica do utilizador

Ambiente agradável

Ao inserir um GUI em displays de equipamentos, máquinas e dispositivos digitais, é possível aproveitar um visual agradável para o controle e interação.

O componente visual também contribui para a rápida aprendizagem de indivíduos.

Ao invés de confiar nos comandos enviados ao computador, os usuários percebem seus resultados direto no aplicativo usado.

Rápida aprendizagem

Como dito acima, as interfaces gráficas exigem um nível muito baixo de memorização de comandos por parte do usuário.

Afinal de contas, uma das suas características mais básicas é a abordagem intuitiva.

A consequência desse benefício é a diminuição de erros e maior controle sobre a atividade a ser executada através da GUI.

Como a Victor Vision soluciona seu problema com interface gráfica do utilizador?

Apesar dos benefícios, o desenvolvimento de uma boa interface gráfica do utilizador pode ser uma tarefa complexa até mesmo para programadores.

Para resolver este problema, a Victor Vision criou o UnicView AD, um software gratuito de projetos de interface gráfica.

Através dele, você pode criar telas interativas para qualquer tipo de equipamento, desde o layout até as funções a serem gravadas nos displays inteligentes.

É rápido, é simples, é fácil!

Conheça o UnicView AD, o software de projetos de interface gráfica da Victor Vision!

Conclusão

Neste artigo, você entendeu pra que serve uma interface gráfica na prática e quais as suas vantagens para diferentes tipos de usuários.Conte com o UnicView AD da Victor Vision para desenvolver gratuitamente uma interface gráfica do utilizador para os seus projetos!

Leia mais conteúdos como esse e tire suas dúvidas no blog do Victor Vision!

Acesse também: Primeiros Passos – Começando a usar o UnicView AD

1 comentário em “Interface gráfica do utilizador: o que é e como implementar”

  1. Pingback: Design de Interface: o que é e quais suas principais regras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.